Glossário
Diminuir Fonte Aumentar Fonte VoltarVoltar ImprimirImprimir EmailEmail PDF DownloadDownload Compartilhe
A

Acessos Multimodais: Acesso a partir de diferentes modais de transporte.

Air Draft do berço de atracação: distância entre a linha d’água e a lança do carregador de navios.

Air Draft do navio: distância entre a linha d’água e o ponto mais alto do navio.

Área de fundeio de navios: Local onde a embarcação lança âncora. É o local previamente aprovado e regulamentado pela autoridade marítima para que o navio aguarde atracação no berço de operação.
Armadores: Empresas proprietárias de navios.

Arqueação de navio: Medição feita antes do início do carregamento do navio e terminado o carregamento do navio para identificar a quantidade de carga embarcada no navio. Quando necessário arqueações intermediárias também são feitas.

Atracação:Operação de fixação do navio ao berço.


B

Bacia de evolução: Área fronteiriça às instalações de acostagem, reservada para as evoluções necessárias às operações de atracação e desatracação dos navios no porto.

Berço ou berço de embarque: Local onde navio atraca para embarque da carga.

Berços de Atracação: Local específico no terminal marítimo onde o navio atraca para fazer o embarque e desembarque de cargas.

Bill of Lading - B/L: Conhecimento de Embarque - Documento preenchido pelo embarcador e assinado pelo comandante ou o agente do navio, confirmando o recebimento de determinada carga a bordo e especificando, entre outros vários detalhes, o frete pago ou a ser pago no destino. É, ao mesmo tempo, um recibo de bordo, um título de posse e uma evidência de contrato de transporte, cujas cláusulas estão incorporadas no mesmo.

Boca do navio: Largura máxima do navio.
Topo
C

Cabotagem: Serviço de transporte marítimo entre portos brasileiros.

Calado Distância: entre a linha d´água e o fundo de uma embarcação.

Calado do navio: Profundidade que cada navio está submerso na água.

Calado do Porto: Profundidade dos canais e berços do porto.

Canal de Acesso: Canal sinalizado e dragado, por onde os navios seguem até chegar ao terminal marítimo de um porto.

CAP: Conselho de Autoridade Portuária. Órgão composto por representantes do Poder Público, dos operadores portuários, dos trabalhadores portuários e dos usuários dos serviços portuários e afins.

Cargo Receipt: Documento elaborado pelo embarcador e assinado pelo comandante do navio para confirmar recebimento da carga embarcada no navio.

Certificado de gas free: Certificado emitido por empresa credenciada que garante que os porões do navio estão livre de gases.

Charter Party: Contrato assinado entre o afretador e o armador onde são estabelecidas as condições para o transporte marítimo da carga.

Contêiner: Os contêineres são compartimentos normalmente feitos de aço, com tamanho padrão, dentro dos quais é acondicionada a carga a ser transportada.
D

Deadweight (DWT):
Peso total que pode ser colocado no navio (peso da carga transportada + combustível + tripulação) até o máximo permitido para sua segurança.

Demurrage: Multa que o Operador Portuário paga ao Cliente pelo tempo excedido ao lay time.

Despatch: Prêmio pago pelo Cliente ao Operador Portuário quando o tempo de carregamento é inferior ao Lay time.

Deslastrear: ato de retirar a água de lastro.

Document of Compliance: Documento de conformidade.

Dragagem: Serviço de escavação nos canais de acesso e áreas de atracação dos portos para manutenção ou aumento da profundidade.

E

Empilhadeiras ou reach stackers: Equipamentos utilizados para carregar contêineres em caminhões reboque e para deslocar e empilhar contêineres.

Escotilhas de porão: São as "tampas" dos porões.

Estufagem de Contêineres: Serviço de colocação e arrumação da carga dentro de contêineres.

ETA (Estimated Time of Arrival): Dia estimado da chegada do navio no porto.


F

Feeder:
Linhas de navegação conectando Portos Concentradores ao destino final de cada carga.

Free partique: Autorização dada pelas autoridades sanitárias do porto para a efetiva entrada da embarcação.

G

Granel Agrícola: Produtos agrícolas movimentados de maneira não unitizada, como soja, farelo de soja, milho e açúcar.

Granel Líquido: Produtos líquidos movimentados de maneira não unitizada, como etanol, gasolina, diesel e petróleo.

Granel Sólido: Produtos sólidos movimentados de maneira não unitizada, como minério de ferro, carvão e fertilizantes.

Guindastes de Cais: Grandes estruturas que, normalmente, se movimentam em trilhos fixos ao longo dos berços de atracação e são utilizadas no carregamento ou na descarga de navios.

Guindastes de Pátio: Usados para empilhar e deslocar contêineres no pátio, bem como para carregar e descarregar os contêineres nos e dos caminhões reboque. Os guindastes de pátio podem ser montados (i) sobre trilhos (RMGs) ou (ii) sobre pneus (RTGs).

H

Highest Lloyds (+ 100 A1): Tipo de classificação de navio.



I

IACS (International Association of Classification Society): Sociedade Internacional Classificadora de Navios.

IMO - International Maritime Organization: Organização Marítima Internacional, ligada à ONU (organização da Nações Unidas) cuja principal da tarefa é desenvolver e manter um quadro regulamentar global para a navegação.

Interlândia: Zona de influência terrestre de cada porto. A interlândia de cada porto é determinada por uma série de fatores, como a infraestrutura de transporte terrestre existente, questões fiscais, entre outras.

International Safety Management (ISM) Code: Código internacional cujo objetivo é estabelecer uma norma internacional para a gestão e exploração seguras dos navios e a prevenção da poluição.

International Ship and Port Security (ISPS) Code: Código internacional cuja finalidade é proporcionar um padrão coerente de avaliação de riscos para garantir a segurança dos navios e instalações portuárias.

International Ship’s Security Certificate (ISSC): Certificado que o comando do navio deve carregar consigo garantindo que o mesmo está em conformidade com os requisitos do Código ISPS.

L

Lastro: Água que é posta nos porões para dar pêso e equilíbrio ao navio, quando está sem carga.

Laydays: Intervalo, em dias, estipulado, durante as negociações do afretamento, para navio chegar ao porto de carregamento e ser aceito para operação.

Lay time: Prazo, calculado pela divisão entre a tonelagem a embarcar e a taxa de carregamento, que o Terminal tem para realizar normalmente as operações de carregamento do navio sem ter que pagar multa ao Cliente.


M

Mineroduto: Conjunto de dutos e equipamentos utilizados para transportar minério de ferro.


N

Notice of Readness (NOR): Documento que o agente do navio entrega ao afretador e ao operador portuário notificando a hora precisa em que o navio lançou âncora na área de fundeio do terminal e que está pronto para atracar e executar o carregamento da carga.

O

Operador Portuário: Pessoa jurídica pré-qualificada junto à administração do porto para a execução das operações portuárias.

P

Pátio ou pátio de estocagem: Área reservada para armazenagem de produtos e movimentação por via terrestre.

Pellet Feed: Minério de ferro fino com partículas menores do que 0,15 mm em tamanho, gerados pela lavra e processos de tratamento. Este minério é passível de aglomeração em planta de pelotização.

Píer: Estrutura de concreto onde estão os berços de atracação de navios.

Plano de Carregamento ou Master Plan: Planejamento para o embarque do navio fornecido pelo comandante do navio ao Operador Portuário.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Conjunto de normas para o tratamento e destinação de resíduos sólidos.

Ponte de Acesso: Ponte conectando a infra-estrutura marítima ao continente. Porto Organizado Porto construído e aparelhado para atender às necessidades da navegação e da movimentação e armazenagem de mercadorias, concedido ou explorado pela União, cujo tráfego e operações portuárias estejam sob a jurisdição de uma autoridade portuária.

Portos Concentradores: Também conhecidos como “Hubports”, recebem os navios das rotas transoceânicas, e redistribuem as cargas destes para portos menores, utilizando-se do serviço de feeder.

Prancha de carregamento ou taxa de carregamento: Quantidade de carga a ser embarcada em um determinado período, neste Contrato, estabelecida em toneladas/dia.

Píer: Estrutura de concreto onde estão os berços de atracação de navios.

Planta de Beneficiamento:Planta industrial onde são desenvolvidos os processos que permitem aumentar a porcentagem de partículas metálicas no minério de ferro, através da retirada de rejeitos.

Post-panamax: Navios de tamanho superior àqueles capazes de navegar através do Canal do Panamá.


Q

Quebra-mar: Estrutura erguida no mar, normalmente em rocha, para oferecer proteção a atracação e operação de navios.


R

Retroárea: Área do porto destinada a serviços de retaguarda, incluindo entre outros, armazenagem e movimentação de cargas provenientes ou destinadas aos navios, e normalmente dotada de acesso multimodal. Dentro do conceito “Porto-Indústria”, que inclui extensas áreas contíguas ao porto, a retroárea também possibilita a instalação e operação de empresas de diferentes segmentos econômicos.

Rightship: Empresa de reconhecimento internacional para pesquisa sobre qualidade e segurança de navios.



S

Safety Management Certificate (SMC): Certificado emitido para o dono, ou responsável pelo navio, informando que seu navio foi inspeccionado e cumpre os requisitos do Código ISM.

Seguro Protection & Indemnity (P&I): O seguro do armador que costuma ser realizado não por ele próprio, mas por um clube ao qual está ligado, com outros armadores, que é denominado Protection and Indemnity Club (P&I).

Shifting do navio: Movimento do navio para a atracação, desde o momento em que o navio levanta a âncora até o momento em que o navio esteja com todos os cabos amarrados no cais.
Shipowner: é o dono de um navio comercial.

Statement of facts (SOF): Documento assinado pelo comandante do navio e pelo operador portuário que inclui um histórico completo sobre a chegada, operação portuária e saída do navio no porto.

Straddle Carrier: Guindastes menores utilizados para a mesma finalidade dos guindastes de pátio.

Super-Portos: Portos de grande capacidade de movimentação.

Supply Boat: Embarcações destinadas ao suprimento e suporte às atividades offshore.

Surveyor: Pessoa ou entidade independente, de reconhecimento internacional convocada pela LLX para resolver impasses entre a LLX e o Comando do navio, relativos à operação portuária.


T

Terminais Múltiplos: Diversos terminais, destinados a diferentes produtos, dentro de uma instalação portuária.

Terminal Privativo de Uso Misto: Instalação, não integrante do patrimônio do porto público, construída ou a ser construída por empresa privada ou entidade pública para a movimentação, ou movimentação e armazenagem, além da carga própria, de carga de terceiros.

TEUs: Twenty-foot Equivalent Unit. Principal unidade padrão de medida para contêineres no comércio mundial, que corresponde a um contêiner padrão de 20 pés (6,0 m) de comprimento.

Transporte Intermodal: Consiste no transporte que utilize mais de um modal de transporte. Isto quer dizer transportar uma mercadoria do seu ponto de origem até a entrega no destino final através de diferentes modais.

Trimming do navio: Acomodação da carga nos compartimentos do navio para que o mesmo fique sempre aprumado.

TUP: Tarifa de Uso Portuário cobrada dos navios pela Autoridade Portuária, pela utilização da infra-estrutura marítima e terrestre de um porto.



W

Wharfage & Dockage: Tarifas cobradas dos navios pela Autoridade Portuária, pela utilização da infra-estrutura portuária e instalações de acostagem.

Meus Favoritos
Selecione 5 canais favoritos do site e tenha-os sempre na home.
    Basta clicar no ícone , na barra ao lado do título, para adicioná-la aqui.

    Para excluí-la, basta clicar no
    Fale com RI
    Fale com a PRUMO e tire suas dúvidas ou envie sugestões. Clique aqui
    Alertas RI
    Receba alertas da PRUMO e mantenha-se informado.
    Conheça mais:
    Copyright © 2010 PRUMO
    Todos os direitos reservados
    Política de Privacidade | Termos de Uso